Resenha: Sombras da Guerra, de Michel Duarte, por Michelle Pereira








Ficha Técnica:
Título: Sombras da Guerra
Autor: Michel Duarte
Editora: Independente
Ano de Lançamento: 2015

Gênero: Fantasia
Páginas: 74
Preço Médio: 1,99 (e-book Amazon)




Oi, povo! Tudo bem com vocês?

Querem conhecer um conto bão demais? Pois hoje é dia de conhecer Sombras da Guerra, do nosso parceiro Michel Duarte.

Sombras é um conto, mas tem versão física, o que é ótimo! Eu o adquiri junto com Sangue dos Deuses e Fúria dos Deuses no financiamento coletivo que o autor fez no Catarse. Um dos melhores projetos que já apoiei, com certeza.

Pois bem, Sombras relata a guerra entre as fadas, lideradas pela rainha Titânia e os Svartalfar, os elfos negros, liderados por Alderon.




Conta-se que, por envolver-se com magia sombria, o líder dos Svartalfar acabara por enlouquecer. Tendo crises estranhíssimas em seu castelo. E talvez, por conta dessa loucura, ele tivesse colocado seus olhos sobre Tearmann, o reino das fadas, criado por Titânia em uma caverna distante, para fugir das guerras humanas.

O fato é que a cidade prosperava e isso despertava a inveja de Alderon. A cidade livre recebia diversos povos, era rica em comércio e felicidade. 

Logo, o líder dos elfos negros e sua comitiva adentraram ao reino das fadas com um ultimato: elas deveriam se render em três dias ou seus muros e seu povo cairiam. Um fato bem estranho, já que nos exatos três dias aconteceria o solstício de verão, onde as fadas estariam no ápice de seu poder, além de ser o dia da grande festa do reino.




Titânia, cega pelo orgulho, ignorou a ameaça de Alderon e prosseguiu com todos os preparativos e depois com o festival acreditando que o rei dos elfos sombrios não se atreveria a tal. Mesmo com os conselhos de Dellingr, um elfo guerreiro, amigo de longa data e que desconfiava da atitude do Svartalfar, ela prosseguiu.

No entanto, ela estava terrivelmente enganada e seu povo pagaria por isso.

Nunca tenho palavras suficientes para falar sobre a escrita do Michel. Gosto da elegância dos textos dele e de toda a mitologia nórdica que acabo conhecendo. É possível perceber o quanto ele é conhecedor deste "tipo de história" e isso torna o universo que Michel criou ainda mais palpável. 

#soufã

Só tenho elogios para tecer, haha! Então, melhor parar antes que não fique chato!

A capa é bem escura e misteriosa, o que me causou muita curiosidade e casa bem com o tom do texto e com o sombrio de Alderon. A diagramação é bem simples e usa nos títulos uma tipografia, que acho, deve ser inspirada em caracteres nórdicos. 

Hugs!

4 comentários:

  1. Parece ser uma leitura mágica, com todos esses elementos folclóricos. Acho que gostaria de ler essa história.
    Beijos
    Mari
    www.pequenosretalhos.com

    ResponderExcluir
  2. Oi, Michele! A história parece ser incrível mesmo, achei bem interessante o enredo conter um enredo recheado de fantasia e magia. Fiquei bastante curiosa para saber como será o desenrolar dessa história agora que Titânia não ligou para a ameaça, dando início às consequências para o seu reino. Sua resenha está ótima, e já vou adicionar esse conto à minha lista. Bjss!

    ResponderExcluir
  3. Alguns contos são quase pequenos livros.rs. A história tratar mais do que apenas fantasia, mas também as consequências que o orgulho desmedido podem trazer não apenas para a pessoa como também para os que a rodeiam é um quê a mais.

    ResponderExcluir
  4. Oiii Michele tudo bem?
    Infelizmente dessa vez a obra não despertou meu interesse mesmo, mas fico feliz que tenha trazido a resenha para nós, sei que tem muita gente que adoraria ler e também gostei de saber sobre o orgulho que traz muitas consequências.
    Beijinhos

    ResponderExcluir